Dados da Coordenadoria de Infraestrutura da Secretaria de Tecnologia da Informação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam que nas eleições municipais de outubro a Justiça Eleitoral contará com 1.274 pontos de transmissão via satélite. Com a tecnologia, após o encerramento da votação em cada localidade contemplada, os respectivos resultados serão transmitidos para a totalização, em segundos, por meio de satélite.

Os equipamentos foram solicitados por 15 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) para instalação em localidades distantes mais de três horas dos centros urbanos, cujo acesso seja dificultado devido às péssimas condições das estradas ou seja feito apenas por meio de barcos e helicópteros, por exemplo.

De posse do equipamento de transmissão e de um laptop, as seções eleitorais fixadas em reservas indígenas, comunidades quilombolas, assentamentos, colônias e vilarejos conseguirão transmitir os resultados registrados nas urnas eletrônicas em menos tempo que as seções localizadas nos grandes centros econômicos do país.

Nesses locais, os votos computados pela urna eletrônica serão enviados via satélite para o TRE respectivo e, a partir daí, os dados entrarão em uma rede de comunicação de uso restrito, serão recebidos e totalizados. A Justiça Eleitoral então fará um check list e totalizará os resultados para então serem divulgados.

Neste ano, os Estados que contarão com mais pontos de transmissão por meio de satélite serão o Amazonas, que terá 380 pontos, e o Pará, com 338 pontos.

Os outros Estados contemplados com a tecnologia serão: Acre (75 pontos de transmissão); Amapá (36 pontos); Bahia (11 pontos); Goiás (18 pontos); Maranhão (86 pontos); Minas Gerais (16 pontos); Mato Grosso do Sul (47 pontos); Mato Grosso (90 pontos); Piauí (55 pontos); Paraná (13 pontos); Rondônia (49 pontos); Roraima (35 pontos); e Tocantins (25 pontos).

LC/LF

Fonte: TSE