O município de Santa Rita do Trivelato foi criado através da Lei Estadual nº 7.234, de 28 de dezembro de 1999, de autoria do deputado estadual Nico Baracat, com território desmembrado de Nova Mutum. 

Em 25 de setembro de 1999, reuniram-se nas dependências do Clube Magester, moradores de da localidade então denominada Santa Rita e também da região leste do município de Rosário Oeste a fim de formar uma Comissão Pró-Criação do município de Santa Rita do Trivelato. 

O presidente da reunião foi o sr. Wilson Martinelli, sendo secretariado por sra Jaqueline Batistella Dürks e após ampla discussão ficou acertado que o presidente seria o sr. Ilson Matschinske, tendo como colaboradores o próprio Martinelli e mais João Pedro Engelman, Egon Hoepers, Helga Ferreira, Luís Pedroso Soares, todos em pról de um ideal - a emancipação polítca de Santa Rita do Trivelato. 

A condução do trabalho legislativo foi do deputado Nico Baracat, que em sua justificativa mostrou o porque da necessidade de emancipação "...dispondo dos requisitos exigidos e de um potencial sócio-econômico-financeiro capaz para garantir e assegurar a sobrevivência e a expansão de seu crescimento e desenvolvimento, com base numa pecuária de leite e de corte moderna; num comércio pleno, numa indústria de semi-transformação, com aproveitamento calcado no extrativismo vegetal, além de outras potencialidades capazes de gerar riquezas e impostos" - o discurso convenceu os parlamentares, que passaram a conhecer melhor a realidade do lugar. 

O nome da cidade foi sugerido por Petrônio Sobrinho, chefe de gabinete do deputado Nico Baracat, em outubro de 1999, segundo Petrônio, a primeira denominação era Santa Rita e ao ser criado o município, o desejo da comunidade era que fosse Santa Rita do Teles Pires, sugestão rejeitada por força de lei federal. O nome da cidade é homenagem a Colonizadora Trivelato, empresa que ajudou a povoar o local a partir de meados da década de setenta, emprestando seu nome à localidade.